arquivo | abril, 2011

Mico dourado

Na adolescência qualquer “fora” vira um drama. Aos 35- 40 melhora mas ainda tentamos disfarçar os micos. Daí pra frente a gente morre de rir e conta pra todo mundo. Hoje soube de uma. A pessoa já tem quase 50 mas, numa atitude “fora” da curva,  pediu anonimato. Cena: banheiro do Shopping Iguatemi, aquele chique do 3° andar, todo branco, clean, com uma pincelada de orquídeas púrpuras. Na hora de lavar as mãos quem disse que saía agua? Não devia ser automático, ela me pergunta, indignada. Eu já tinha apertado o sabão! Você tentou outras torneiras? Tentei. Olhou embaixo? Olhei. Não tinha ninguém, pra te ajudar? Não! E o que você fez? Ah…não teve jeito…tive que tirar o sabãozinho da mão com papel toalha…

 Já  anotei: no próximo aniversário dou pra ela um carregamento de álcool gel de bolsa,  em vez de um cinzeiro de onça. Oops!      (RL)

Sexta-feira Santa

Durante toda minha vida estudei em colégio de freiras. Semana Santa era o evento do ano.  Nos dias que precediam a comemoração de Páscoa recebíamos as instruções mais temerárias possíveis: na sexta-feira não escute música, não ria alto, não use materiais  cortantes (???), não brinque, não faça piadas, não assista televisão…enfim, não seja feliz. Caso contrário, o destino era o inferno. Por fim, fechavam o discurso “Jesus morreu pra te salvar”. Como era criança demorei para entender que não corria risco de vida. Aprendi mais tarde que não devemos carregar o luto nesse dia, mas o profundo respeito. E devemos, sobretudo, refletir. Refletir sobre os nossos erros, nossos julgamentos. E principalmente, refletir sobre a difícil tarefa de perdoar. (RM)

O amor é lindo e caro

Li no jornal domingo passado que, dentre as polêmicas opções do mercado “encontre o par perfeito”, agora existem empresas que se posicionam como super exclusivas, o nicho do nicho. Eu acho que um indivíduo adulto deve gerenciar como quiser sua carência afetiva. Então, se namorar e casar é vital pra você, se está disposto a pagar caro por isso …seus problemas acabaram. O escritório casamenteiro chama-se Lunch For Two, possui endereços no Rio e  São Paulo.  Reproduzo abaixo o texto do site:

 A LUNCH FOR TWO É UMA EMPRESA ESPECIALIZADA EM APROXIMAR PESSOAS COM O OBJETIVO DE UM RELACIONAMENTO ESTÁVEL. A EMPRESA ENTENDE A DEMANDA DOS SEUS CLIENTES, PRESERVANDO A SEGURANÇA E DISCRIÇÃO NA QUALIDADE DOS SEUS ATENDIMENTOS. SEU DIFERENCIAL CONSISTE EM UMA ABORDAGEM PERSONALIZADA, VALORIZANDO A SERIEDADE, O PROFISSIONALISMO E A ÉTICA DE SEUS COLABORADORES.

 O jornal dizia que o candidato desembolsa 5 mil por mês, como fee pela garimpagem de um parceiro. Sorte então de quem não for assim muuuito exigente né? Quanto pode custar um namorado? 10, 20, 50 mil? Quanto vale um elemento rico, bonito, limpinho e do bem? Me digam. Adianto que não vendo por dinheiro nenhum mas me deu curiosidade de avaliar o patrimônio que tenho em casa!      (RL)

Segurança protege quem mesmo?

Os moradores do meu prédio resolveram trocar o sistema de segurança por algo mais moderno. Trocaram as câmeras e colocaram um sistema de cartões nos portões, entre outras coisas. Há alguns dias minha filha de 17 anos chegou por volta de 1h da manhã. Tentou usar o cartão para abrir o portão e ele não funcionava. Meu marido desceu correndo. Ele ficou preso do lado de dentro do prédio e ela do lado de fora. O sistema tinha entrado em curto. Desci e conseguimos fazê-la entrar com o controle da garagem. O sistema que barra com frequência a nós, moradores, registrou a imagem de um pai desesperado e uma mãe de camisola, despenteada e com rímel borrado. Outra situação que me gera desconforto é o alarme. Duvido que o ladrão que roubou meu carro tenha passado pela inusitada situação de atravessar a cidade com o alarme a toda, parecendo um trio elétrico, como aconteceu comigo. Por fim, há um mês não consigo usar minha conta bancária. Primeiro era o tal do itoken e depois o cartão, os dois tiveram a validade expirada. Durante 35 dias não pude efetuar saques, pagamentos, transferências…Mas essa semana descobri que há uma maneira de realizar essas transações  sem a necessidade de toda essa parafernalha. Assim que localizar o hacker que acessou minha conta, conto para vocês e para minha gerente como se faz…Enquanto isso vou me garantindo com cartões, senhas, alarmes…Afinal o que seria de mim sem isso tudo? (RM)

Nem isso eu sei fazer

Já quis fazer tricô como minha amiga Bia faz. Vocês precisam ver as peças que ela tricota. Comprei novelos , agulhas n°7, frequentei aulas gratuitas da  Lãs Pingouim na Rua Tabapuã. Meu rompante não durou nem um cachecol.  Insistindo eu teria sim o  cachecol: furado, com fileiras apertadas demais e outras molengas até.

 Já quis pintar como minha xará Renata pinta. Vocês precisam ver as louças que ela pinta. Comprei caixa de tintas, pinceis de todo jeito, estopa, terebintina, óleo de copaíba, azulejo, espátula. O resultado está escondido, empoeirando no fundo do armário. Fora um prato de bolo floridinho, nada mais tem serventia.

 Já quis fazer lembrancinhas artesanais(pra aniversário, dia disso e daquilo), como minha amiga Lya faz. Vocês precisam ver os mimos que ela  confecciona. Comprei cola quente, isopor, fitas coloridas, mil plastiquinhos, papel crepom, estilete. Acabei perdendo todo esse arsenal de tanto que não usei.

 Habilidade manual é um tema intrigante pra mim.    (RL)

Filmes

Fomos assistir  ao filme Rio e minha filha de 9 anos pediu para publicar essa ‘crítica’:

De todos os filmes que vi, todos tinham um conflito. Nas histórias dos filmes e desenhos, todos precisam deste conflito porque, normalmente as histórias são baseadas nisso. Nos filmes de crianças sempre tem um final feliz, mas agora em outros filmes nem sempre tem um final feliz, pode até ser depressivo, triste. Eu, por exemplo, gosto de filmes de comédia que sejam censura livre, como Esposa de Mentirinha. Ontem eu fui assistir um filme, Rio, que fala sobre uma ave, a Arara Azul que está em extinção. Minha irmã disse que esperava mais do desenho. Bem, minha mãe falou que todo mundo estava comentando bem deste filme. Eu também esperava mais, porque para mim um filme de criança tem que fazer rir. E eu ri bem pouco. Mas muitos adultos riram.  Então, acho que os filmes de desenho são mais para adultos do que para as crianças. Mesmo que acabe com final feliz.

Ressalvas: O filme Esposa de Mentirinha tem censura, 12 anos. O texto expressa apenas a opinião dela.

(RM + colaboradora Giulia Moreira)

A MPB de Haydee

Eu amo MPB. Mas atualmente só amo e mais nada. Já fiz mais a respeito, tempos atrás. Toquei violão, cantei por mais de 8 anos num grupo vocal, me atrevi sozinha no palco algumas vezes. Mas hoje só karaokê. Por que parou, parou porque? Nem sei, era só um hobby feliz, sem maiores pretensões, que passou e pronto. Mas o amor permanece inalterado. Recentemente conheci uma pessoa que também ama e que faz muito bonito a respeito. O nome dela é Haydee e o que ela faz você ouve  digitando www.zuim.org . Haydee sabe tudo de música popular brasileira. Ela mesmo pesquisa, seleciona, roteiriza e grava seu Zuim. Enquanto escrevo esse post ouço um programa dedicado ao samba. Maravilhoso. O podcast Zuim também publica playlists enviados por outras pessoas como é o caso desses sambas. Além da seleção musical o programa tem locução suave, melodiosa e cool, da própria Haydee. As 3 categorias do Zuim: Brasil instrumental, Essa é pra tocar no rádio e Leituras Musicais injetam variedade e novidade no sonoramente delicioso Zuim. Se você é como eu e como ela, sintonize, acesse, compartilhe… a  pura MPB de Haydee.  (RL)

E como um post de música deve ser musical, Haydee, mando essa pra você.

O ‘anjo’ Rafael

Saí da academia e fui rapinho no mercado. Detalhe que sou hipoglicêmica e comecei a tremer. Resolvi pegar um chocolate e comer enquanto fazia as compras. Nem tinha reparado em um carrinho na minha frente. A mãe estava de costas para mim e seu filho de uns 6, 7 anos me olhava de dentro do carrinho. ‘Mãe posso comer um chocolate?’ Não! ‘Mas mãe eu to com fome..’ Não. ‘Mas mãe..’ Não Rafael! Só pessoas MUITO MUITO malvadas comem dentro do mercado. Rafael me olhou de um jeito que nem sei descrever. Envergonhadíssima coloquei o chocolate no carrinho e sumi dali. Mas o carrinho do Rafael me acompanhava. E ele me olhava. Tentava fugir e…lá estava ele. Rafael é muito perspicaz e notando que me intimidava, além de lançar aquele olhar, agora me apontava os dedinhos como se fossem armas. Fui atingida por diversas balas invisíveis de moralidade. Fui abatida. E agora sempre que penso em qualquer contravenção, lembro dos dedinhos do Rafael. Quarta quando comprei ingressos de cambistas para o U2 foi assim. Cantava com o Bono, levando os tiros do Rafael…  (RM)

Ramadan vai ao supermercado

Agora que a França resolveu peitar um dos costumes do mundo árabe me ocorre contar um pouco sobre outra tradição, o Ramadan.

Do nascer até o por do sol ninguém come, ninguém bebe. Juntar saliva na boca pra depois engolir e matar um tiquinho a sede, não pode. Sexo nem pensar, fumar também é pecado, mascar chiclete é proibido. A privação diária dura 30 dias, e é um dos 5 pilares da religião muçulmana. O objetivo é lembrar dos necessitados. Quando escurece montam-se tendas enormes e aí o clima se inverte. Muita comida, música e alegria. É um tempo de caridade e no final as pessoas se presenteiam. Acho interessantes os rituais de cada povo. Curiosa também é a mistura dessa rigidez toda com o estilo de vida moderno. Hoje em dia os fieis  que podem, dormem até tarde pra não sentir demais a dureza do jejum. Well… Minha cunhada que mora em Dubai conta que, logo após o Ramadan, pipocam cartazes nos supermercados com o título “Unwanted Gift”.  Ninguém se surpreende. As pessoas vendem mesmo, não muito discretamente, os presentes que ganharam e não gostaram ou não precisam. Divertido, franco e prático esse comportamento.  Saio pra comprar pepino e brócolis, volto com um Rolex novo.   (RL)

Transando por um Beatle

Eu pedi. Mas ninguém  me ensinou o truque pra conseguir comprar Tickets to Paul na ingresso.com. Então lá fui eu pro plantão outra vez. Resulta que tenho dois  quase-ingressos. Na bilheteria online “oficial” fiquei um tempão esperando o tal do sistema processar minha compra. Queria 3 meias entradas, doce ilusão, nem tinha onde clicar, era uma e olhe lá. O tempo pra efetuar a transação terminou. Fiquei no limbo, não sei se transei. Cliquei no histórico e lá estava o meu pedido registrado. Transamos então? Não. Agora me pedem 2 dias pra confirmar. Mas será possível que eles transam com tanta gente ao mesmo tempo que perdem o controle? Já na empresa concorrente consegui transar com facilidade, rapidinho, tenho um boleto que vence sábado. Mas caramba a desconfiança parece uma bigorna no meu ombro. Será que me arrisco nessa transação sem proteção? Alguém já transou com um site “não oficial” antes? Não era só com a ingresso.com que eu deveria transar? Confio, não confio, transei, não transei, bem me quer o ingresso, mal me quer o ticket, transo com o inimigo, não transo… Façam suas apostas.  Eu tenho fé na minha honestidade.  Mas por um Beatle faço qualquer negócio.   (RL)

%d blogueiros gostam disto: