arquivo | fevereiro, 2012

Direto da avenida

Quando a bateria breca eu até me arrepio, quando as baianas giram acho lindo de morrer, quase não acredito no gingado dos passistas, me encanto com as comissões de frente, e, claro, reparo mesmo no layout das madrinhas. Mas uma coisa que me enche no Carnaval são aquelas pessoas que insistem no refrão: ‘você nunca desfilou? Teeem que desfilar!’ Veja bem, a pessoa teeeem é que saber se mancar. Não adianta. Lugar de branquela não é na passarela. Quem tem samba no pé que se atire, quem não tem que se retire. Sou fã do Carnaval, compactado e via satélite.  (RL)

 

Será que me ‘americanizei’?

Ficamos o ano inteiro esperando essa data. Para nós é um dos maiores espetáculos do planeta, ainda que nem todos concordem. Como se superam a cada ano: os efeitos, os figurinos, os enredos! Aqui em casa é programa garantido para a família toda. Não vou negar que é cansativo passar a noite inteira assistindo, mas pensa que alguém reclama? Que nada, ficamos defendendo nossos preferidos. É divertidíssimo. Nem sempre ganha quem escolhemos, mas a festa e a torcida valem a pena. Enfim, o Oscar, esse evento que amamos é no próximo fim de semana. Vamos aproveitar esse feriado para assistir os filmes que faltam. Já que dá até medo ligar a tv, a saída é correr para o cinema! (RM)

Benzadeus

Como avó, estreei há 6 anos. Já tenho Luiza, João, Carolina e agora é a Helena que vem aí. Entre legítimos e postiços as crianças da família tem uma penca de avós! Já do meu ponto de vista vislumbro netos e mais netos. É que quando essa primeira fornada estiver criadinha deve começar tudo de novo, não que eu espere que minhas duas filhas tenham filhos, imagina, de jeito nenhum. O fato é que serei mais avó que muita avó, não tanto pelo número exato de descendentes mas pelos anos a fio com ‘crianças ao pé’.  Comecei cedo e tenho fé que o futuro só fará renovar a criação. Benzadeus!

O berço da Helena e o céu de carneirinhos esperando por ela.

O closet só de miudezas fofas, pode?

Flores, mimos, tudo lindo, tudo pronto para receber….

Há 22 anos atrás minha avó perguntou, na lata: você tem certeza que quer se casar, e ‘herdar’ 3 filhos de outro casamento? Sim, toda certeza!.  (RL)

Noite estrelada

Meu irmão era pequeno quando viu pela tv o leilão de um Picasso. Ficou pasmo com o valor que pagaram pelo quadro. Ficou ainda mais pasmo quando viu o quadro. Tentou convencer sua professora – que tinha na pintura um hobby – a vender todas as suas telas. Se Picasso vendia aqueles desenhos deformados por um valor exorbitante, ela que pintava as florzinhas com perfeição, certamente ganharia uma fortuna. Dedico, portanto, esse post ao meu irmão. Assisti esse vídeo e lembrei imediatamente dele (talvez porque Van Gogh também tenha sido incompreendido, sei lá). Encontrei ainda essa carta que Van Gogh escreveu para Émile Bernard:

Mas quando pintarei meu céu estrelado, esse quadro que me preocupa constantemente? Ai de mim! Ai de mim! É exatamente como o excelente Cyprien diz no En Ménage de J.K. Huysmans: ‘Os quadros mais bonitos são aqueles com que sonhamos quando fumamos cachimbo na cama, mas que jamais pintamos.’ Mesmo assim devemos atacá-los, por mais incompetentes que nos possamos sentir ante a perfeição indescritível, os gloriosos esplendores da natureza.

Starry Night, 1889 – MoMA

Trivial caprichado

Olha que ideia cheia de potencial:um site de culinária voltado especificamente para quem vive como se deve atualmente, ou seja, sem ajudante que durma, ou seja, todo mundo. Não é tão óbvio quanto parece. O conceito é o seguinte: o site deve oferecer sugestões de cardápio, com o modo de fazer dividido entre ‘o que a funcionária deixa pronto e o que eu faço pra finalizar’. A inteligência está na variação, tanto de sabores como de grau de dificuldade. Se na segunda feira preciso apenas ligar o forno e temperar a salada, na terça provavelmente estarei disposta a descascar um abacaxi, quiça uma manga. Sensibilidade é o ingrediente básico.  Tem que ser adaptado ao Brasil, ao nosso jeito de comer. Não me venham com 20 receitas de quiche, nem ‘express cooking’. Quero pastel assado que pareça frito, frango que não resseque, carne seca mas molhada, quero comida com cara de fresca, sugestões gostosas e que transformem o meu lar em um lar bem alimentado. Quero tudo super explicadinho, fotos passo a passo, filmes, lista de compras da semana, dicas para otimizar o tempo na cozinha, como seduzir o marido para que ele ajude, enfim, serviço completo. Fala sério, aposto que vai chover patrocinador para um site desses. Se alguém estiver a fim, eu topo desenvolver o projeto. Só que esse alguém precisa ser do ramo. Vamos combinar que eu entro com a empolgação, a digitação e, óbvio, a experimentação. (RL)

Beijo

O beijo não é indispensável. Não sob o aspecto reprodutivo. Somos as únicas criaturas que beijam. E que durante a relação podem ficar frente a frente, olho no olho. Isso porque não somos feitos apenas de necessidades, somos feitos também de desejo. Hoje é Valentines´s Day. Que tal unir o útil ao agradável? (RM)

Ou vai, ou racha?

É sério. A turma do calendário chinês precisa marcar uma reunião com a turma do calendário Maia. Oriente e ocidente tem que chegar num acordo. Devo investir em novos projetos pra aproveitar o Ano do Dragão, ou é melhor correr e realizar todas as fantasias, meus últimos desejos, antes que exploda tudo, em dezembro?  Tá confuso isso. Estou particularmente interessada nesse dilema e, evidentemente, prefiro a teoria chinesa. Nasci em 1964, outro Ano do Dragão. Dizem os animais-astros que em 2012 estarei tinindo! Meus supostos predicados – carismática, sedutora, ‘espirito indomável’, sortuda – irão contribuir para a formação de uma incrível ‘atmosfera elétrica’, uma espécie de efeito dragão.  Vou causar! Mas ainda que alguém me convença a acreditar na previsão dos Maias, eu realmente não saberia como agir. Em 11 meses de contagem regressiva dá pra fazer muita besteira, pelamor, clima de apocalipse é coisa pra no máximo 2 ou 3 dias! E se for alarme falso? Desde 1938 Carmen Miranda já cantava essa encrenca:

“Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar, por causa disso minha gente lá de casa começou a rezar….beijei a boca de quem não devia, peguei na mão de quem não conhecia ai, ai, dancei um samba em traje de maiô, e o tal do mundo não se acabou.”

Urgente, urgente essa reunião. (RL)

E o mundo não se acabou – Assis Valente

Arrependimento na hora da morte

A enfermeira Bronnie Ware passou os últimos anos cuidando de pacientes terminais. A clareza com que eles enxergam a vida no fim de seus dias, faz com que repensem as escolhas que fizeram e os arrependimentos decorrentes dessas escolhas. Ela reuniu em um livro os 5 arrependimentos mais frequentes para ajudar outras pessoas que ainda podem rever suas vidas. (RM)

1. Eu gostaria de ter tido a coragem de viver a vida que eu quisesse, não a vida que os outros esperavam que eu vivesse.

“Esse foi o arrependimento mais comum. Quando as pessoas percebem que a vida delas está quase no fim e olham para trás, é fácil ver quantos sonhos não foram realizados. A maioria das pessoas não realizou nem metade dos seus sonhos e têm de morrer sabendo que isso aconteceu por causa de decisões que tomaram, ou não tomaram. A saúde traz uma liberdade que poucos conseguem perceber, até que eles não a têm mais.”

2. Eu gostaria de não ter trabalhado tanto

“Eu ouvi isso de todo paciente masculino que eu trabalhei. Eles sentiam falta de ter vivido mais a juventude dos filhos e a companhia de seus parceiros. As mulheres também falaram desse arrependimento, mas como a maioria era de uma geração mais antiga, muitas não tiveram uma carreira. Todos os homens com quem eu conversei se arrependeram de passar tanto tempo de suas vidas no ambiente de trabalho.”

3. Eu queria ter tido a coragem de expressar meus sentimentos

“Muitas pessoas suprimiram seus sentimentos para ficar em paz com os outros. Como resultado, eles se acomodaram em uma existência medíocre e nunca se tornaram quem eles realmente eram capazes de ser. Muitos desenvolveram doenças relacionadas à amargura e ressentimento que eles carregavam.”

4. Eu gostaria de ter ficado em contato com os meus amigos

“Frequentemente eles não percebiam as vantagens de ter velhos amigos até eles chegarem em suas últimas semanas de vida e não era sempre possível rastrear essas pessoas. Muitos ficaram tão envolvidos em suas próprias vidas que eles deixaram amizades de ouro se perderem ao longo dos anos. Tiveram muito arrependimentos profundos sobre não ter dedicado tempo e esforço às amizades. Todo mundo sente falta dos amigos quando está morrendo.”

5. Eu gostaria de ter me permitido ser mais feliz

“Esse é um arrependimento surpreendentemente comum. Muitos só percebem isso no fim da vida que a felicidade é uma escolha. As pessoas ficam presas em antigos hábitos e padrões. O famoso ‘conforto’ com as coisas que são familiares O medo da mudança fez com que ele fingissem para os outros e para si mesmos que eles estavam contentes quando, no fundo, eles ansiavam por rir de verdade e aproveitar as coisas bobas em suas vidas de novo.”

Melhores fotos de 2011

Foto do Ano de 2011 para o “World Press Photo Award”, do espanhol Samuel Aranda, mostra mulher segurando ferido durante protestos contra o ditador Ali Abdullah Saleh, no Iêmen

Tsunami do Japão foi o assunto da foto premiada em 2º lugar na categoria “General News Stories”, do “World Press Photo Award”. A autoria é do italiano Paolo Pellegrin, da Magnum

Maria, uma viciada que trabalha como prostituta em Kryvyi Rig (Ucrânia), é protagonista da foto vencedora na categoria ”Contemporary Issues Singles”. A imagem foi tirada por Brent Stirton da África do Sul

Fotógrafo Yasuyoshi Chiba levou o 1º lugar da categoria “General News Stories” do “World Press Photo Award”, com foto da sobrevivente do tsunami japonês Chieko Matsukawa, em abril

2º lugar na categoria “Esportes” da premiação “World Press Photo Award” foi para imagem do irlandês Ray McManus; foto é flagrante da partida de rúgbi entre os rivais Old Belvedere e Blackrock em Dublin, realizada em fevereiro

1º lugar da categoria “Daily Life Stories“ foi para foto de Alejandro Kirchuk, da Argentina, tirada em fevereiro; imagem mostra mulher diagnosticada com Alzheimer em sua casa, em Buenos Aires

Meninas da foto se casaram, aos 6 anos com homens de 25 no Iêmen; a foto de Stephanie Sinclair, dos EUA, ganhou o 1º lugar na categoria “Contemporary Issues Stories”

Fotógrafo Damir Sagolj, da Bósnia e Herzegovina, ganhou o 1º lugar na categoria “Daily Life Singles” do “World Press Photo Award” com foto da capital norte-coreana Pyongyang, em outubro, onde se destaca a imagem do ex-ditador Kim Il-sung

Primeiro lugar na categoria “Arts and Entertainment Stories” foi concedida para essa foto de Rob Hornstra, da Holanda, que mostra a cantora Marika Bajur em restaurante em Sochi (Rússia), à beira do Mar Negro

Tragédia de Utoya (Noruega), em julho, quando um atirador matou 69 pessoas, é o assunto da foto vencedora em 2º lugar na categoria “Spot News Stories”, da premiação “World Press Photo Award”. A imagem foi tirada pelo sueco Niclas Hammerstrom

O fotógrafo Yuri Kozyrev, da Rússia, ganhou o 1º lugar na categoria “Spot News Singles”, da premiação “World Press Photo Award”, com um flagrante da revolta árabe em Ras Lanuf (Líbia), em março

Imagem de um recruta em centro da treinamento em Kunduz, no Afeganistão, é a foto vencedora em segundo lugar na categoria “Portraits Stories”, da premiação “World Press Photo Award”. Foi tirada por Ton Koene, da Holanda, em setembro

Atriz dinamarquesa Mellica Mehraban, nascida no Irã, protagoniza a foto vencedora em primeiro lugar da categoria “Portraits Singles”, da premiação “World Press Photo Award”. A imagem foi tirada por Laerke Posselt, da Dinamarca, em maio

Brent Stirton, da África do Sul, ganhou o 1º lugar na categoria “Nature Stories”, da premiação “World Press Photo Award”, com essa imagem de rinocerontes em guerra na reserva de Tugela, em Colenso (África do Sul)

Primeiro lugar na categoria “General News Singles”, da premiação “World Press Photo Award”, foi para essa foto dos protestos na praça Tahrir, no Cairo (Egito), em fevereiro, tirada por Alex Majoli, da Itália

Segundo lugar na categoria “People in the News Singles”, de Tomasz Lazar (Polônia), mostra prisão de manifestantes em Harlem (NY), durante protestos contra desigualdade

Primeiro lugar da categoria “Nature Singles”, Jenny E. Ross (EUA) mostra urso polar na beira de abismo em Ostrova Oranskie (Rússia)

Segundo colocado na categoria “Sports Stories”, de Adam Pretty (Austrália), mostra mergulhadores treinando em Xangai, na China

Vincent Boisot, fotógrafo francês a serviço da revista do “Le Figaro”, ficou em 2º na categoria “Arts and Entertainment Singles” com a figura de modelo posando em Dakar (Senegal)

Socorro, desligaram meu cérebro!

Enquanto meu olhos repousavam, de molho em rodelas de algodão gelado, a moça manobrava toda a área ao redor, com precisão milimétrica: pra cima, pros lados, pressionando com a ponta dos dedos, cuidando de jamais apertar pra baixo. Nesse sentido já basta a lei da gravidade né querida? Concordei, achando tudo ótimo, afundada em camadas de massagem cremosa. O calorzinho é  pra ativar o colágeno viu? (pode esquentar sim que eu já tô em alfa, pode até apertar mais um pouco). Agora vai dar uma pinicada mas logo passa. E vamos eliminar essas manchinhas também. (não me furando, não me injetando coisas, o resto tá liberado).

É fato, a pele fica um pêssego, pronta pra derreter nesse calor da peste. Marquei outra sessão. Acho que meu juízo já está em ritmo de Carnaval.

Como pude sobreviver até agora, sem ativar meu colágeno semanalmente?  (RL)

%d blogueiros gostam disto: